Documentos obrigatórios para atendimento à NR12


Manuais de operação e manutenção

12.125 As máquinas e equipamentos devem possuir manual de instruções fornecido pelo fabricante ou importador, com informações relativas à segurança em todas as fases de utilização.

Os manuais devem acompanhar as máquinas novas, já nas máquinas antigas que não possuem manuais e será necessário resgatar e elaborar novo manual em língua portuguesa conforme determinado na NR 12 e no código do consumidor.
Estes documentos são base para o manuseio da máquina pelo operador ou equipe de manutenção.

Inventário de máquinas
12.153 O empregador deve manter inventário atualizado das máquinas e equipamentos com identificação por tipo, capacidade, sistemas de segurança e localização com representação esquemática, elaborado por profissional qualificado ou legalmente habilitado. (Alterado pela Portaria MTb n.º 98, de 08 e fevereiro de 2018)

Este documento deverá  conter uma lista de todas as máquinas com  no mínimo as seguintes  informações de  Nome da máquina, localização, potência ou capacidade, outras informações exemplo uma prensa de tantas toneladas número de peças produzidas por máquina, categoria de proteção de segurança segundo análise de risco, etc...
O objetivo deste documento é ter um panorama geral das máquinas e riscos existentes na fábrica, com ele classificar a prioridade no plano de ação de redução de riscos ou até na fiscalização do Ministério da Economia – Trabalho.
Localização com representação esquemática em planta baixa 
Esta Representação Esquemática deve conter a posição das máquinas na fábrica, sem escala, para atendimento NR12 .
Você pode incrementar algumas informações como posição dos operadores, fluxo de processo e material ou até variações ferramentas e dispositivos.
Com a representação esquemática e Inventário prontos, podemos chegar à cada uma das maquinas mais rapidamente na planta da fábrica.

Austrália vai plantar um bilhão de árvores para combater aquecimento global

Para cumprir as metas climáticas estabelecidas pelo Acordo de Paris e colaborar com o combate ao aquecimento global, a Austrália anunciou que irá plantar um bilhão de árvores. O projeto será executado até 2050.



(Foto: Pixabay)


A medida pode remover mais de 16 milhões de toneladas de gases do efeito estufa por ano e é vista como um exemplo para muitos outros países que não estão cumprindo o acordo.

De acordo com um estudo feito pela ETH Zurich, na Suíça, uma ampla campanha de plantio de árvores em todo o mundo poderia reduzir significativamente os índices de dióxido de carbono na atmosfera, podendo anular até uma década de emissões.

O pesquisador Thomas Crowther, da ETH Zurich, afirma que as árvores são “nossa arma mais poderosa na luta contra as mudanças climáticas”.

Crowther e seus colegas pesquisadores consideram que a Terra conseguiria suportar o plantio de 1,2 trilhão de árvores, em parques, bosques e terras abandonadas de todo o planeta. Essa meta, caso alcançada, superaria qualquer outro método de combate às mudanças climáticas.

“É uma coisa bonita porque todos podem se envolver”, disse Crowther ao The Independent. “As árvores literalmente tornam as pessoas mais felizes em ambientes urbanos, melhoram a qualidade do ar, a qualidade da água, a qualidade dos alimentos, o serviço ecossistêmico, é uma coisa tão fácil e possível”, finalizou.

Fonte: Anda

http://www.anda.jor.br/2019/02/australia-vai-plantar-um-bilhao-de-arvores/?fbclid=IwAR1alHXkLWR0mMa6LcrxWIxzUxscjXwOxn-yQuZEMl-0Kno6VZfoSDlHjC8


Imagens marcante

Por bem ou por mal, conserve limpo
A imagem pode conter: atividades ao ar livre
Fonte : Educação Ambiental do Facebook

Comentário do Autor Eco Harmonia: 
Observa se que é um lugar muito simples, mesmo assim e notável a organização, limpeza e respeito as pessoas e ao meio ambiente.
Parabéns...

Brasil assina acordo que vai liberar uso da Base de Alcântara por EUA

Entendimento permitirá a presença de estrangeiros na base militar, mas corrige pontos controversos sobre a soberania nacional

Torre de lançamento de foguetes em Alcântara Foto: EVARISTO SA / AFP 14-09-18
Torre de lançamento de foguetes em Alcântara Foto: EVARISTO SA / AFP 14-09-18

O Brasil, representado pelos ministros de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Marcos Pontes, e das Relações Exteriores, Ernestou Araújo, assinou nesta segunda-feira  o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), que permite aos Estados Unidos e outras nações lançar satélites a partir do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. O secretário assistente do Escritório de Segurança Internacional e Não Proliferação do Departamento de Estado, Christopher Ford, assinou representando os EUA.


EUA poderá lançar foguetes e satélites no Centro de Lançamentos de Alcântara

Por Metro Jornal com BandNews FM
 
EUA poderá lançar foguetes e satélites no Centro de Lançamentos de Alcântara
O presidente Jair Bolsonaro assinou, nesta segunda-feira (18), na Câmara de Comércio dos Estados Unidos, em Washington, um acordo de cooperação que permite que o governo norte-americano use o Centro de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão, para lançar foguetes e satélites.
O acordo foi assinado pouco antes do discurso do presidente no "Brazil Day in Washington", na Câmara de Comércio dos EUA, como parte de sua visita oficial a Donald Trump, nos EUA.
Fonte: Metro Foco

Por que a Noruega pode salvar o mundo da crise de lixo plástico

Uma garrafa por vez; esse é o mantra de um país que recicla 97% das garrafas de plástico que produz

Plástico reciclado pela Infinitum (Foto: Reprodução/Infinitum)
PLÁSTICO RECICLADO PELA INFINITUM (FOTO: REPRODUÇÃO/INFINITUM)

tenção, este número impressiona: você sabia que aproximadamente 1 milhão de garrafas plásticas são produzidas no mundo por minuto? Correndo na mesma linha exorbitante, relatórios preveem que 111 milhões de toneladas de plástico devem acabar em aterros sanitários e oceanos até 2030.


Globalmente, empresas estão buscando por alternativas ao material, mas o movimento pode não ser suficiente. Com isso em jogo, fica a pergunta: como frear a poluição dos nossos oceanos?

A reciclagem na Suécia é tão revolucionária que eles estão ficando sem lixo

Por , em 21.11.2016



A Suécia está na liderança na gestão de resíduos sólidos urbanos, e dá exemplo ao resto do mundo. O país nórdico recicla 1,5 bilhão de garrafas e latas anualmente, uma quantidade impressionante para uma população de 9,3 milhões de pessoas. Os suecos produzem apenas 461 kg de lixo por ano (a média europeia é de 525 kg), e menos de 1% dessa quantidade acaba em aterros sanitários.
Essa ênfase na sustentabilidade, porém, tem trazido um problema para a produção de eletricidade do país. O lixo queimado em 32 instalações de incineração de resíduos produz energia elétrica e aquece casas no país. Se as usinas têm menos combustível, o país tem menos energia.
Este programa se chama resíduo-para-energia, e funciona da seguinte forma: fornalhas são carregadas com lixo, que é queimado a temperaturas entre 850 a 1000 °C, produzindo vapor. Este gás é usado para mover turbinas geradoras de eletricidade, que é transferida para a rede de energia elétrica.
Com este método, o país consegue reduzir toxinas que em aterros sanitários contaminariam o solo. “Quando o lixo fica em aterros, ele produz gás metano e outros gases do efeito estufa, e isso obviamente não é bom para o meio ambiente”, explica a diretora de comunicação da Administração de Resíduos da Suécia, Anna-Carin Gripwell.

Participação da população

Antes de ser incinerado, o lixo é separado pelos donos das casas e dos estabelecimentos comerciais das cidades. Resíduos que podem ser reciclados são separados e levados pelos cidadãos aos centros de coleta, que não ficam a mais de 300m das residências. Tudo o que pode ser consertado ou reaproveitado é levado para centros de reciclagem nos bairros distantes do centro das cidades.
A coleta de lixo no país é uma das mais rigorosas do mundo. Se o lixo orgânico não estiver de acordo com as especificações fornecidas pelo governo, ele não é recolhido. O contribuinte paga taxa de recolhimento do lixo proporcional à quantidade gerada, por isso os cidadãos controlam sua própria geração de lixo.

Assim, a quantidade levada às usinas, cerca de 50% do lixo produzido pelos suecos, é insuficiente para o pleno funcionamento das instalações, obrigando o país a importar 700 mil toneladas de lixo de locais como Reino Unido, Noruega, Irlanda e até Itália para garantir que a energia elétrica continue sendo gerada.

Brasil começará a produzir energia a partir de lixo e esgoto

A primeira usina de biogás com essa configuração será instalada no Paraná e fornecerá energia para aproximadamente duas mil residências

lixo, plástico (Foto: Martine Perret/ONU Meio Ambiente)
(FOTO: MARTINE PERRET/ONU MEIO AMBIENTE)

O Brasil ganhará mais uma fonte de energia sustentável em sua matriz enérgica a partir de resíduos orgânicos e esgoto. A primeira usina de biogás do país com essa configuração será construída no estado do Paraná, no município de São José dos Pinhais, e terá capacidade de produzir 2,8 MW, abastecendo cerca de duas mil casas. A empresa CS Bioenergia conseguiu a Licença de Operação do Instituto Ambiental do Estado (IAP).

A usina produzirá biogás para a região a partir da matéria-prima de estações de tratamento de esgoto e lixo produzido por shoppings, restaurantes e supermercados da região. Segundo a empresa de energia, essa nova empreitada resultará em um corte de cerca de mil metros quadrados de esgoto e 300 toneladas de lixo orgânico para o estado.

NR 05 Curso da CIPA e Processo Eleitoral


Benvindo ao Canal da Focus Consultoria e Treinamentos, dando continuidade a série de vídeos treinamentos obrigatórios elaboramos este vídeo para breve entendimento dos treinamentos da CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e procedimentos administrativos para processo eleitoral.

Imagens exclusivas do rompimento da barragem em Brumadinho




O vídeo, obtido pelo jornalismo da Band, mostra quando o mar de lama atinge as instalações da Vale, na última sexta-feira.

Matriz de Risco - para avaliação de risco

Reflexão sobre algumas ferramentas para avaliação de risco  que poderiam ser utilizadas na gestão de risco das barragens de mineradoras e na prevenção de acidentes.



Entre diversas ferramentas encontradas para avaliação de riscos o cruzamento entre probabilidade e severidade nos auxiliam muito para prevenir e evitar acidentes.
Ao olhar para o caso das Barragens de Mariana e de Brumadinho as probabilidades de rompimento da barreira mesmo se fosse considerada mínima a severidade é intolerável.



Risco Inicial ou Risco Puro 

Probabilidade X Severidade 

Exemplo :

  • Severidade 4
  • Probabilidade 3
Risco Puro S 4  X   P 3  = Nível do Risco 12

Medidas de Controle para reduzir Risco:
  • Controles de Engenharia
  • Controle Administrativos  


FMEA - Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos é uma ferramenta para avaliação de risco que  utilizam  como base a probabilidade, severidade e capacidade de detecção;
A capacidade de detecção são de extrema importância neste processo, como: detectores de vibração, histórico de rupturas e vazamentos, laudos, sistema de alarme etc...

Probabilidade de Incidente:

RARO
Nunca ocorreu e/ou não é esperado que ocorra nos próximos 30 anos de operação.

IMPROVÁVEL
Pode ter ocorrido uma vez durante o período de operação e/ou pode ocorrer nos próximos 30 anos.

POSSÍVEL
Ocorreu uma vez durante a operação e/ou pode ocorrer nos próximos 5 anos.

PROVÁVEL
Ocorreu algumas vezes durante a operação e/ou é esperado que ocorra no próximo ano.

QUASE CERTO
Ocorreu diversas vezes durante a operação e/ou é esperado que continue ocorrendo no futuro.


Fontes : Rogerio Godoy Princiotti - 
Ecoharmonia e Segurança do Trabalho em Ação

Central do Voluntariado promove Feira de Troca de Livros e Gibis no sábado

By Rogério Princiotti

jan 22, 2019

Uma parceria entre a Central do Voluntariado de Guarulhos, vinculada à Chefia de Gabinete da Prefeitura, e a ONG Instituto Acervo irá promover a Feira de Troca de Livros e Gibis na Tenda Verde do Parque Bosque Maia, sem custos aos cofres públicos, com o objetivo de incentivar o gosto e facilitar o acesso à leitura, mediante disponibilização de livros e gibis para trocas e doações. O primeiro evento será no próximo sábado (26), das 10h às 17h, e os demais acontecerão todo último sábado do mês.


Destinado ao público de todas as idades, a proposta foi feita pela ONG que atua, em uma de suas frentes, com o incentivo à leitura, pois acreditam que esta ação é capaz de melhorar a empregabilidade. Não serão aceitos livros acadêmicos.

​Na ocasião, os frequentadores também poderão contar com atividades culturais, educacionais e recreativas desenvolvidas por voluntários e instituições sociais sem fins lucrativos. Para participar como voluntário, é preciso preencher formulário disponível no link: https://bit.ly/2FQGYIW.

Rompimento de barragem no momento em Brumadinho. Vídeos Regates e Imagens



Rompimento de barragem no momento em Brumadinho.
Há possibilidade dos rejeitos atingirem o Centro de Brumadinho e o Rio Paraopeba;
Cidades de Juatuba, Mateus Leme,Brumadinho em alerta máximo;

Alguns vídeos e imagens de resgates com o rompimento de barragem em brumadinho / MG.












Barragem da Vale se rompe e lama invade Brumadinho, na Grande BH

Por BandNews FM
Sexta, 25 janeiro 2019, às 13:56
Barragem da Vale se rompe e lama invade Brumadinho, na Grande BH

Uma barragem da Vale se rompeu, nesta sexta-feira (25), na comunidade Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande Belo Horizonte.

Pelo que se sabe até agora, o rompimento “é um grave acidente” e a região já está mobilizada, com o fechamento do comércio.

Em entrevista exclusiva à BandNews FM, o vice-prefeito de Brumadinho, Leônidas Maciel, disse ter recebido informações de pessoas que estão no local confirmando que existem mortos.

Segundo ele, vários lugares foram atingidos e inundados, mas as consequências ainda estão sendo analisadas.

O Corpo de Bombeiros ainda não tem informações de vítimas. Uma aeronave da corporação está a caminho do local.

Não há informações sobre as proporções do que ocorreu. Segundo informações da Vale, a barragem Córrego do Feijão tem capacidade para 1 milhão de metros cúbicos. Em comparação com a barragem de Fundão, em Mariana, são 62 milhões de metros cúbicos.

Pelas redes sociais, moradores registram o desastre. Em uma das imagens, é possível ver a lama invadindo a cidade. Veja:
A Vale reconheceu o rompimento e disse que ativou seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens. A prioridade total da Vale, neste momento, é preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade. Os rejeitos podem ter atingido a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco.
Inhotim

O Instituto Inhotim está sendo esvaziado neste momento por recomendação das autoridades.

O maior museu a céu aberto do mundo está localizado na cidade afetada, a cerca de 2km da área de mineração.


Fundacentro lança livro para segurança no trabalho na indústria da construção

O final de 2018, na Fundacentro, foi marcado pela publicação do livro “Planejamento e Gestão do PCMAT- Elaboração do programa de condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção”. A engenheira da instituição no Rio de Janeiro, Maria Christina Felix, e o consultor em SST, Ayres da Costa Neto, são os autores da obra, que está disponível gratuitamente para download.

Pensar a segurança e saúde dos trabalhadores nessa área é mais do que necessário. “A indústria da construção, por absorver grande parcela de mão de obra não qualificada, é um dos setores de atividade econômica determinante para o desenvolvimento econômico e social do Brasil. Esse setor tem elevada incidência de acidentes de trabalho, principalmente graves e fatais”, afirma o engenheiro Jófilo Moreira Lima Júnior, servidor aposentado da Fundacentro, na apresentação do livro.

REPERCUSSÃO DO SONO SOBRE O TRABALHO

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior

Resumo

Aqui é dada atenção para a valorização de um sinal e sintoma que muitas vezes torna-se inexpressivo para quem avalia a causa de um acidente. São abordados distúrbios do sono com ênfase para privação do sono e a síndrome da apnéia obstrutiva do sono.

Justifica-se o porquê da necessidade do sono, como ele surge e que efeitos produzem no organismo. Trabalhadores, chefes, empresários, serviço de engenharia de segurança e medicina do trabalho são

alertados para os perigos e conseqüências das jornadas longas, horas extras e mudanças de turno de trabalho.

Summar

Abstract here attention is given to the promotion of a sign and symptom that often becomes meaningless for those who evaluate the cause of an accident. Are discussed sleep disorders with emphasis on sleep deprivation and the syndrome of obstructive sleep apnea. It is justified why the need for sleep, as it arises and that produces effects in the body. Workers, bosses, business, engineering service safety and occupational medicine are aware of the dangers and consequences of long hours, overtime and shift changes at work.

Como posso regular a alimentação, repouso, necessidades biológicas do indivíduo que opera uma máquina móvel extremamente perigosa para si, para o usuário, pedestre e a sociedade como um todo?

Dentro de uma fábrica com uma equipe de engenharia de segurança e medicina do trabalho torna-se mais fácil controlarmos os trabalhadores.

Difícil é controlar tais trabalhadores no que chamamos de “Indústria”. “do Transporte”. As dificuldades ocorrem de múltiplas formas desde a distribuição das máquinas nas ruas, avenidas, rodovias, a contenção do ruído, redução da vibração, da higiene ambiental, etc.

A repercussão do organismo do homem sobre o trabalho também se torna incontrolável tamanha são as condições que propiciam o risco de acidente.

A equipe de segurança e medicina do tráfego precisa voltar-se para os sinais e sintomas muitas vezes subjetivos, mas importantes na prevenção de doenças ocupacionais e acidentes de trabalho.

Quantos acidentes são causados todos os dias pelo sono?

Quanto tempo é necessário para o indivíduo se recuperar de uma jornada de trabalho?

MOTORISTA É RESPONSÁVEL PELA SEGURANÇA DE TODOS. Nova Resolução 760 CONTRAN.

Em 1985 a Alemanha considerou o cinto de segurança a invenção mais importante do século.

Nova resolução traz a necessidade de uma sinalização sonora-luminosa para que o motorista identifique que não está sendo usado o cinto de segurança. Hoje alguns veículos já possuem tal dispositivo. 

O motorista é o responsável pela sua integridade física e das pessoas que o acompanham. 

A energia cinética no deslocamento de um veículo, quando ocorre frenagem brusca ou colisão, faz com que haja projeção de quem está no habitáculo para frente, para cima, lado ou para traz dependendo do tipo de impacto. 

Completando 60 anos de sua invenção, o cinto de segurança nos veículos ainda é a grande proteção no transporte. 

Quantas lesões deixaram de existir, quantos deixaram de serem ejetados do habitáculo e quantos traumas de face, de crânio, arcada dentária, tórax, lesão visceral, de coluna vertebral, de bacia deixaram de existir. Acreditamos que esse simples EPI trouxe a todos uma redução de 90% das lesões produzidas num acidente. 

Costumamos dizer que no transporte temos três tipos de colisões: 

1ª – Colisão 
Quando é absorvida a energia maior do impacto causando dano material. Deformidades da carcaça do veículo. 

2ª - Colisão 
Com as partes moles do transportado. Pele, subcutâneo, músculo, vasos, nervos e vísceras. 

3ª – Colisão 

É a de maior profundidade que atinge a estrutura óssea. 

O cinto de segurança de três pontos dá uma boa proteção a partes que antes do seu uso eram vulneráveis quer numa frenagem brusca ou desaceleração por colisão. 

Veja a proteção dada: 

Quadril - 100% 
Coluna - 60% 
Cabeça - 56% 
Tórax - 45% 
Abdome- 40% 

O não uso do cinto no banco traseiro permite que o passageiro ali alojado seja projetado para frente com a velocidade que estava o veículo no momento do impacto acoplado a sua massa física, indo de encontro ao encosto do banco dianteiro e de encontro à coluna cervical e crânio do motorista ou passageiro do banco dianteiro. Nesse caso passando a ser agente causal de lesões graves e muitas vezes gravíssimas, podendo ocorrer até lesão raquimedular com tetraplegia, parada respiratória seguida de parada cardíaca. 

Não temos dúvida que a ausência do cinto de segurança no banco traseiro agrava lesões de quem está no banco dianteiro. Pode ainda ocorrer à ejeção através o para-brisa, o que quase sempre é igual a óbito. 

No Brasil, apenas 3 a 7% dos usuários de veículos usam o cinto no banco traseiro. 

Até 1999 não se usava tal equipamento em coletivos rodoviários, hoje são obrigatórios. 

Somente nos coletivos que transportam passageiros de pé não é obrigatório. 

Mesmo entendendo os benefícios do cinto temos visto aqueles que o desprezam no banco traseiro em veículos de passeio, táxis, caminhões e coletivos. Cabe a todos, motoristas e passageiros a conscientização dos riscos e a utilização desse equipamento de segurança como única proteção imediata na vigência de um acidente mesmo para aqueles que dispõem de “Air Bag”. 

A Indústria Automotora, diante da nova resolução, deverá equipar seus veículos com a nova tecnologia e o motorista sentir-se responsável por todos. 

Sugerido por 
Dr. Dirceu Rodrigues Alves Junior
Diretor da Abramet

Temporal provoca transtornos por mais de 24 horas em São Paulo

Voos no aeroporto de Congonhas são cancelados ou partem com horas de atraso. Nas ruas, longos trechos de alagamentos param o trânsito.
01/12/2018 20h59 Atualizado há 20 minutos

Temporal provoca transtornos por mais de 24 horas em São Paulo


Jornal Nacional




Temporal provoca transtornos por mais de 24 horas em São Paulo

Vinte e quatro horas depois, a Grande São Paulo ainda sente os efeitos do temporal que atrasou e cancelou voos e produziu prejuízos em quase toda a região. O sábado ficou com cara e trânsito de dia de semana.

De longe, parece só um rio cortando a mata. Mas basta olhar de perto para notar que o tapete que se formou é um monte de lixo acumulado no leito do rio Juqueri, que atravessa várias cidades paulistas. As consequências do descaso do homem e do temporal de sexta-feira à noite (30).

A chuva que atingiu a Grande São Paulo durou 16 horas. Por causa dos alagamentos, um trecho da Rodovia Anhanguera, que liga a capital ao interior, ficou 10 horas interditado.

A situação também ficou complicada em Caieiras, na região metropolitana. O repórter Alan Severiano sobrevoou a cidade a bordo do Globocop. Às 11 da manhã, ainda era possível ver as consequências do temporal. Caminhões ilhados no meio do alagamento e um campo de futebol também ficou debaixo d’água. Ao lado do campo, um centro de eventos da cidade também ficou ilhado. E uma fila de pessoas em mutirão tentava retirar material do local. Um ciclista quase foi engolido por tanta água.

Quando a água baixou, foi a lama que tomou conta das ruas e calçadas. Ficou no caminho de quem precisava chegar até a estação de trem, em Franco da Rocha.

Dentro das lojas, não tinha cliente, só funcionários trabalhando para dar conta da sujeira.

“Todo mundo perdeu tudo, o rapaz da lanchonete perdeu a lanchonete inteira. A minha loja eu perdi tudo”, diz a lojista Janaína Campos.

Os efeitos do temporal também foram sentidos na capital paulista. A cidade de São Paulo teve um sábado atípico, com registro de 80 quilômetros de congestionamento pela manhã. Principalmente porque vários trechos da Marginal Tietê, uma das vias mais importantes, ficaram alagados.

“Um motoqueiro que me ajudou a tirar o carro do meio da água. Senão a água tinha me levado acho que até embora”, conta o auxiliar de enfermagem Rafael Silveira.

Com os carros ilhados, o helicóptero da polícia precisou pousar na pista para resgatar um homem que tinha que correr para o hospital. Ele era candidato a uma cirurgia urgente de transplante de rim, que acabou não acontecendo porque ele não era compatível.

Rafael, de três anos, também foi transportado pelo helicóptero da polícia. O menino precisava fazer hemodiálise e por causa das interdições provocadas pela chuva, foi voando de São José dos Campos para o tratamento.

As interdições na pista também prejudicaram a chegada e saída dos ônibus no maior terminal rodoviário da América Latina, o Tietê.

Viajar pelo ar também não foi nada fácil neste sábado. "Devido aos problemas meteorológicos na cidade de São Paulo, várias tripulações não conseguiram chegar", anunciava o aeroporto de Congonhas.

Sem avião para embarcar tanto passageiro, o saguão do aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, ficou lotado.

“Está todo mundo aqui perdido sem saber nada de nada”, reclamava a aposentada Veronica Torreão.

Segundo a Infraero, foram 21 voos cancelados e 108 atrasados até às 18 horas. O professor Roni da Silva esperava há quase 15 horas para viajar.

A diretora de escola Edicleusa Al Kalah tentava explicar ao telefone porque não conseguiria chegar ao casamento do sobrinho, no Paraná. “O voo era às sete, passou para 8h20, passou para 9h20, passou 10h20, passou pra uma hora, duas horas e aí que cancelaram", diz.

O problema em São Paulo se refletiu em Brasília, Porto Alegre e no Rio de Janeiro, nos dois aeroportos: Santos Dumont e Tom Jobim. Era onde o estava o professor Clóvis, tentando chegar a São Luís. “Nós estamos para concluir 30 horas de voo”, disse.

A informação que mais preocupa realmente os passageiros é quando aparece escrito ‘procure a companhia aérea’. Essa é a razão de uma grande fila. Tem gente que deveria embarcar para voos para Salvador, Rio de Janeiro e também para Curitiba, caso de um grupo que deveria ter embarcado às sete da manhã.

E esperaram muito mais. A equipe do JN acabou encontrando o grupo mais tarde. Depois de sete horas no aeroporto, não teve outro jeito: “Desistimos de esperar. A gente preferiu alugar o carro e seguir viagem. Final de semana quer ficar com a família em casa, vamos seguir a estrada”, afirmou o contador Alexandre Locatelli.

Fonte: G1 

FEBRE AMARELA E TRANSPORTE

          
A grande mobilidade do ser humano, utilizando os mais variados tipos de veículos concorre para a disseminação de doenças e para a rápida transferência de um foco de infecção de uma região para outra. 

Os pontos mais distantes do nosso país, cada vez se tornam mais próximos. A evolução do transporte aproxima cada vez mais estes pontos. Até bem pouco tempo, somente através do transporte ferroviário, marítimo ou aéreo conseguíamos alcançar os pontos mais distantes. Hoje o predomínio é o transporte rodoviário que transita por todos rincões desse país. 

A Vigilância Sanitária preocupa-se em não deixar disseminar no país qualquer patologia que poderia comprometer toda à população. Cobra-se a vacinação para tal doença (febre amarela).

Hoje, com o desenvolvimento tecnológico, a aviação civil rompe o tempo de percurso entre os pontos mais longínquos, e em curto período, visita múltiplas regiões. Essa rapidez facilita o transporte de doenças as mais diversas e nos mais variados pontos. Além de transportar os doentes e portadores de doenças, o transporte em geral é capaz de conduzir o hospedeiro intermediário e o agente vetor favorecendo a disseminação e o aparecimento de focos a distância.

Torna-se cada vez mais difícil o controle das doenças tropicais e infectocontagiosas. Sabemos que a falta desse controle vai permitir o aparecimento de epidemias comprometendo todo o país.

O transporte em geral será o responsável pela disseminação, especificamente o transporte aéreo, será o elemento capaz de produzir a eclosão de focos epidêmicos quase simultâneos em toda a superfície terrestre, causando uma pandemia.

Hoje vemos Haemagogus, Sabethes, Aedes egipty, Phebotomus, e outros sendo transportados dos focos de origem para os grandes centros urbanos através de todo tipo de transporte. Hoje, principalmente pelo transporte rodoviário.

Medidas mais concretas devem ser adotadas pela vigilância sanitária com objetivo de se fazer o combate permanente a tais insetos que produzirão múltiplas doenças infecciosas graves na população dos grandes centros.

A vigilância sanitária dos aeroportos, aeroclubes e de qualquer pista de pouso deve ser enérgica em termos de obrigar a dedetização de tais aeronaves ao deixarem o campo de pouso de onde decolaram. Além disso, a dedetização também na chegada, vai proporcionar maior garantia de que nenhum vetor está sendo trazido para um grande centro, em consequência deixamos o vetor limitado à área endêmica.

Tal conduta se aplicaria nos terminais rodoviários, transportadoras, trens, navios e individualmente por todos os motoristas que transitam por tais áreas.

Estas são medidas profiláticas, fáceis de serem adotadas, de baixo custo e que seriam executadas pelos que transitam nestas regiões.

A vigilância sanitária de cada cidade faria à fiscalização e consequentemente as punições com multas àqueles que incorrem em erros, no descumprimento as necessidades básicas em termos de Saúde Pública.

Os aeroclubes tornam-se quase sempre os pontos de desembarque dentro dos hangares de uma vasta fauna de transmissores de doenças como os vetores da Febre Amarela, Malária, Dengue, Doença de Chagas, Chikungunya, Zika e outras.

Sabemos que todas essas doenças foram extremamente combatidas durante anos, com custos elevadíssimos na faixa litorânea do nosso país. De poucos anos para cá, já ressurge a Dengue. Alguns raros casos de Malária já foram citados nesta região e até de Doença de Chagas. Ressurge agora a Febre Amarela já provocando múltiplos óbitos.

Não podemos permitir que a reinfestação venha trazer os problemas de saúde do passado que levaram a população ao sofrimento e à morte.

Ações de motoristas, pilotos, maquinistas, comandantes de navios e barcos em geral, transportadoras, veículos de passeio, e ainda ações de órgãos governamentais e municipais devem erradicar insetos que possam estar sendo transportados impedindo a chegada dos mesmos aos grandes centros.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Jr.
Diretor da ABRAMET.

13 Experiências do Projeto Brincar

Secretaria Municipal de Educação de São Paulo
#ConteúdoAudioacessível - Conheça algumas das experiências das 13 unidades de Educação Infantil que participam do Projeto Brincar e têm realizado atividades pedagógicas e brincadeiras para todas as crianças - com e sem deficiência.
Os relatos estão registrados em banners que ganharam formato audiovisual acessível com narração, audiodescrição das imagens e interpretação em Língua Brasileira de Sinais.
Saiba mais aqui >> http://bit.ly/2zlTjRv e confire as produções das escolas:
CEMEI PROF LEILA GALLACCI
https://youtu.be/rgcQJaPgLIk
CEU EMEI CAMINHO DO MAR
https://youtu.be/4hWAxooyHhY
CEU EMEI CANTOS DO AMANHECER
https://youtu.be/WRDDVLAsf-E
EMEI FERNANDO DE AZEVEDO
https://youtu.be/lWRu9B7KIQ8
EMEI LUCIANA AZEVEDO POMPERMAYER
https://youtu.be/NTDSRJXMSy4
EMEI PROF JOSE RUBENS PERES
https://youtu.be/KdHfnlv-OGI
EMEI PROF OTTILIA DE JESUS
https://youtu.be/EleNhJTFIJg
EMEI PROF RAUL NEMENZ
https://youtu.be/NigexAhzYgk

 
Eco Harmonia