Virus Prevenção sobre Coronavírus





































Curso de Avaliação de Risco online

Curso de Avaliação de Risco
online 

Conceito / Descrição
É o processo de avaliação dos riscos para a segurança e a saúde dos trabalhadores decorrentes de perigos no local de trabalho, uma analise sistêmica do ambiente de trabalho visando ajuda lo a identificar e mensurar danos desse perigo.

Nesta curso apresentar alguns conceitos e técnicas para avaliação de risco, através de estudo de casos e  experiências adiquiridas para levantamento de perigos e riscos / aspectos e impactos ambientais.

Na etapa final disponibilizamos algumas ferramentas que podem ajudar no desenvolvimento de atividades envolvendo avaliação de risco nos locais de trabalho.

O curso é composto de 08 módulos e alguns anexos.

Em cada módulo possui uma avaliação de eficácia do curso, ao concluir todas as etapas dos módulos do curso será emitido um certificado de participação.

Link para acesso ao curso online e confirá.

https://focustreinamentosead.lmsestudio.com/site/cursos

10 Erros De Primeiros Socorros Explicados Por Um Profissional



Você sabe prestar os primeiros socorros? Ou acha que sabe? Quase todos nós lembramos algumas coisas básicas sobre as regras dos deles. Mas será que o nosso conhecimento está certo ou muito fragmentado para ser útil? Saber os métodos de primeiros socorros é muito importante, mas é essencial fazê-los do jeito certo para não comprometer a vida que você está tentando salvar.
Quando alguém está em perigo, claro, as pessoas correm para ajudar. Mesmo se a intenção destes bons samaritanos for boa e se eles estiverem sendo corajosos e altruístas, podem acabar colocando a vítima em uma situação de mais risco se não souberem prestar os primeiros socorros do jeito certo. É por isso que é essencial evitar estes 10 erros comuns e perigosos e aprender o que se deve fazer em cada situação. MINUTAGENS: Inclinar a cabeça para trás se o nariz estiver sangrando 0:46
Forçar uma pessoa desmaiada a se sentar 1:39
Colocar calor em uma torção ou fratura 2:16
Tentar retirar algum fragmento do seu corpo 2:52
Ter pressa na hora de tratar uma queimadura 3:28
Fazer logo a manobra de Heimlich em vítimas de engasgamento 4:07 
Colocar alguma coisa dentro da boca de alguém que está tendo convulsões 4:43
Priorizar a respiração boca-a-boca em vítimas de ataque cardíaco 5:28 
Não saber o que está fazendo 6:28
Usar um torniquete para conter um sangramento 7:10 
Música por Epidemic Sound https://www.epidemicsound.com/ 

RESUMO: 
- Inclinar a cabeça para trás faz o sangue escorrer do nariz para a garganta; ou seja, você vai acabar engasgando ou engolindo sangue. 
- Quando alguém desmaia, a nossa ação imediata é tentar fazer a pessoa se sentar, principalmente quando sacudi-la parece não ajudá-la a recobrar os sentidos. Ao invés de fazer isso, sempre comece verificando a respiração e o pulso da pessoa. 
- O gelo é usado para situações críticas, como torção de tornozelo. O calor serve para doenças crônicas, como dores nas costas. 
- Se a ferramenta que você usar para retirar um caco de vidro não estiver esterilizada ou se você subestimar a profundidade da ferida, corre o risco de contrair uma infecção e piorar as coisas. 
- Para que a água realmente ajude a pele, a região queimada precisa ficar debaixo d’água por pelo menos 20 minutos. 
- A Cruz Vermelha atualizou seu guia de primeiros socorros para vítimas de engasgamento. Ao invés de fazer logo a manobra de Heimlich, você deve fazer o seguinte: fique atrás da vítima, incline-a para a frente e dê 5 socos rápidos nas costas dela usando o dorso da sua mão. 
- Quando vemos alguém tendo uma convulsão, ficamos em um estado de choque tão grande que é comum tentar bloquear a boca da pessoa imediatamente, com medo de que ela morda a própria língua. Isso é muito perigoso, tanto para a vítima quanto para quem está tentando socorrê-la. 
- O erro mais comum é pensar que a respiração boca-a-boca é mais importante do que as compressões no peito. 
- A primeira ação em qualquer situação de primeiros socorros deve ser ligar para o Corpo de Bombeiros ou SAMU, e deixar que um profissional lhe oriente sobre o que fazer. 
- Se alguém tiver um machucado profundo no braço ou perna, aplicar um torniquete pode interromper o fluxo sanguíneo do membro inteiro, e isso pode privar os tecidos de oxigênio, levando até a uma amputação. Usar um torniquete jamais deve ser a primeira opção. 
Inscreva-se em Incrível: https://goo.gl/ZHFt2x


CURSO DE CIPA ONLINE E PROCESSO ELEITORAL


Neste vídeo iremos falar sobre o curso da CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, conforme determina a NR – 05 da portaria 3214 do Ministério da Economia.

Objetivo do curso da Cipa-online

incrição no site 
https://focustreinamentosead.lmsestudio.com/site/cursos

O curso tem como finalidade desenvolver e aprimorar as habilidades dos membros da CIPA com o objetivo de conseguir que observem e relatem condições de risco nos ambientes de trabalho e proponham, com base na sua experiência do dia-a-dia medidas preventivas para reduzir até eliminar os riscos existentes e/ou neutralizar os mesmos.

Moradores alertam para infestação de escorpiões em Guarulhos

Com a aproximação do verão, a umidade e o clima quente tornam-se condições favoráveis para a proliferação de escorpiões nos ambientes urbanos.
Ao menos 10 moradores de bairros como Jardim Fortaleza e Vila Rica relataram ao Guarulhos.BIZ que encontraram escorpiões em suas residências.
De acordo com especialistas, é importante adotar medidas como eliminar material de construção, entulho e folhas secas nas proximidades da casa, inclusive no quintal; manter jardins e terrenos baldios limpos; acondicionar o lixo doméstico em sacos plásticos fechados e em recipientes com tampa para evitar proliferação de insetos, principalmente baratas, que é o alimento principal do escorpião.
Vedar frestas, buracos em paredes ou assoalhos, ralos de pias e tanques, afastar a cama da parede e vistoriar roupas e sapatos antes de vesti-los pode auxiliar a evitar acidentes.
Os escorpiões têm hábito noturno e preferem abrigos em locais sombreados e úmidos. Os mais comuns são os do tipo amarelo (Tityus serrulatus) e marrom (Tityus bahiensis), que vivem entre três e quatro anos.
Crianças e idosos são mais sensíveis ao veneno de animal. As reações variam de uma dor leve e inchaço até alterações na respiração e nos batimentos cardíacos e convulsões.
Em Guarulhos, o desenvolvimento de ações para a prevenção e o controle de pragas é responsabilidade do Centro de Controle de Zoonoses que fica na R. Santa Cruz do Descalvado, 420. Solicitações devem ser feitas pelo telefone (11) 2436-3666.

ESTRESSE = COPO D'ÁGUA


Uma psicóloga falando sobre gerenciamento do estresse em uma palestra levantou um copo d'água. Todos pensaram que ela perguntaria "Meio cheio ou meio vazio?". Mas com um sorriso no rosto ela perguntou "Quanto pesa este copo de água?"
As respostas variaram entre 100 e 350g.
Ela respondeu:
"O peso absoluto não importa. Depende de quanto tempo você o segura. Se eu segurar por um minuto, não tem problema.
Se eu o segurar durante uma hora, ficarei com dor no braço. Se eu segurar por um dia meu braço ficará amortecido e paralisado. Em todos os casos o peso do copo não mudou, mas quanto mais tempo eu o segurava, mais pesado ele ficava".
Ela continuou:
"O estresse e as preocupações da vida são como aquele copo d'água. Eu penso sobre eles por um tempo e nada acontece. Eu penso sobre eles um pouco mais de tempo e eles começam a machucar. E se eu penso sobre eles durante o dia todo me sinto paralisada, incapaz de fazer qualquer coisa".
Então lembre-se de "largar o copo"...

Curso de CIPA Online


Conheça nossos EAD em breve estaremos divulgando o link de acesso aos nossos cursos modalidade {EAD online presencial e semi presencial}

Mulheres remam contra o câncer de mama


10 de outubro de 2017


Projeto Remama usa o esporte para melhorar qualidade de vida de mulheres em recuperação

(Foto: Rafael Bataglia)

Por Rafael Bataglia
Uma marca cor-de-rosa chama a atenção nas manhãs de terça e quinta na Raia Olímpica da Cidade Universitária. São as atletas do Remama, projeto que, desde 2013, reúne mulheres que passaram pelo tratamento contra o câncer de mama para praticar remo. A iniciativa nasceu da parceria entre o Centro de Práticas Esportivas da USP (Cepeusp) com o Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp) e visa reabilitar as pacientes por meio do esporte.
O principal objetivo do Remama é melhorar a qualidade de vida das mulheres, devolvendo a elas o condicionamento físico e a autoestima afetadas pelo câncer. “Quando você as tira do hospital e as coloca na raia olímpica, elas saem da condição de paciente para a de aluna”, diz o professor José Carlos Farah, vice-diretor do Cepeusp e responsável pela Raia e pelas aulas de remo. “O salto na qualidade de vida é algo impressionante. Elas têm um apego à vida que serve de exemplo para nós”, completa.
A origem do projeto vem da professora Cristina May Moran de Brito, do Icesp, umas das coordenadoras do Remana, que se inspirou em um programa que conheceu no Canadá. Atualmente, o grupo é formado por cerca de vinte mulheres. Todas elas já passaram pelos processos de tratamento da doença, como a quimioterapia, e estão em fase de reabilitação. Após uma triagem e preparação inicial ainda no Instituto, as pacientes podem começar os treinos na água, que acontecem duas vezes por semana, das oito às nove da manhã, sob supervisão dos profissionais do Cepeusp.

Canudos plásticos passam a ser proibidos na cidade de São Paulo


Medida entra em vigor em até 180 dias; prefeito Bruno Covas sancionou lei na manhã desta terça (25)
Guilherme Seto



SÃO PAULO - O prefeito Bruno Covas (PSDB) sancionou nesta terça-feira (25) um projeto de lei que prevê a proibição de fornecimento de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais da cidade. De autoria do vereador Reginaldo Tripoli (PV), o texto estipula multa para quem descumprir a lei, com valor que pode chegar a R$ 8.000.

A prefeitura terá 180 dias a contar da publicação da lei no Diário Oficial do município para regulamentar a lei. Em coletiva de imprensa, Covas disse que pretende usar um período menor para tal. Após a regulamentação, os donos de restaurantes, bares, padarias, hotéis, clubes noturnos e eventos musicais terão 180 dias para se adaptarem.


No Brasil, cidades litorâneas como Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro, Camboriú (SC), Ilhabela (SP), Santos (SP), Rio Grande (RS) e todo o estado do Rio Grande do Norte já sancionaram leis de proibição dos canudos e de outros plásticos descartáveis.



A lei se aplica a hotéis, restaurantes, bares, padarias, clubes noturnos e eventos musicais de qualquer tipo. Em lugar dos canudos de plástico, prevê que podem ser fornecidos canudos em papel reciclável, material comestível ou material biodegradável.

O prefeito Bruno Covas (PSDB) sancionou projeto de lei que proíbe fornecimento de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais da cidade - Rivaldo Gomes/Folhapress



As multas crescerão ao passo que se acumularem as infrações. Na primeira autuação, apenas advertência e intimação. Na segunda, multa de R$ 1.000. Na terceira, multa de R$ 2.000, e assim sucessivamente até a quinta, no valor de R$ 4.000. Na sexta autuação, a multa chega a R$ 8.000 e o estabelecimento é fechado. 

Na justificativa do projeto, Tripoli argumenta que a aprovação da medida alinharia São Paulo às "cidades mais desenvolvidas do mundo no combate à poluição do meio ambiente". 

"Na condição de signatários da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), é nosso dever ter uma gestão eficiente de resíduos e tornar nossa cidade mais sustentável. De uso individual e efêmero, o canudo plástico é um dos problemas ecológicos contemporâneos mais urgentes. Se cada brasileiro usar um canudo plástico por dia, em um ano terão sido consumidos 75.219.722.680 canudos. De fato, mais de 95% do lixo nas praias brasileiras é plástico", continua. 

Os detalhes sobre qual secretaria municipal acompanhará a implantação da lei e como será feita a fiscalização serão definidos no período de regulamentação, disse Covas. Segundo ele, também nesse período serão abordados os casos de pessoas com mobilidade reduzida e que têm os canudos plásticos como principal opção para se alimentarem. 

O prefeito paulistano, no entanto, diminui a importância da fiscalização no processo de redução do consumo de plástico. 

“Tenho certeza que essa e outras iniciativas produzem mais um efeito pedagógico de consciência da população do que punitivo. Não tenho dúvida de que desde o início da discussão do projeto na Câmara Municipal alguns bares e restaurantes de São Paulo deixaram de distribuir o canudinho. Com a sanção e a regulamentação isso vai avançar muito mais. Não acredito que vá ser preciso manter por muito tempo uma equipe fiscalizando. O maior fiscal é o próprio povo”, disse. 

Reportagem da Folha mostrou que no Rio de Janeiro, onde a lei anticanudos foi aprovada em julho de 2018, a proibição "pegou" e criou uma nova cultura entre grande parte dos cariocas, mas não é difícil encontrá-los em certos locais, como barracas de praia ou vendas de ambulantes. 

No período em que valeu a primeira versão da lei, de outubro de 2018 ao começo de janeiro deste ano, a gestão do prefeito Marcelo Crivella (PRB) afirma que só aplicou quatro multas por uso indevido de canudos, entre mais de 15 mil inspeções. 

Discussões fizeram com que a lei fosse substituída por outra, em janeiro, ampliando a permissão a canudos de qualquer material biodegradável —desde que não de plástico ou oxibiodegradável (que dificulta a reciclagem). Dessa vez, o prazo de adaptação previsto foi de quatro meses, que se esgotou em 9 de maio. 

Medida visa diminuir circulação de plástico em meio ambiente; detalhes da lei saem em até 180 dias - Warley Kenji/Folhapress 

Os canudinhos representam 0,03% das 6 milhões de toneladas de plástico produzidas no Brasil em 2016, segundo números do IBGE divulgados pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast). 

Ainda de acordo com a associação, cerca de 35% dos produtos do setor têm ciclo de vida curto, de até um ano, e só 26% das embalagens plásticas são recicladas, diz uma pesquisa da FIA (Fundação Instituto de Administração, da USP) também de 2016. 

Para Covas, ainda que possa parecer “um pequeno passo” tratar de canudos “com tantos desafios a enfrentar”, “é um passo importante a ser dado no sentido de reduzir a dependência que temos do plástico.” 

Em junho, a Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou um projeto de lei semelhante, e Covas incentivou o governador João Doria (PSDB) a sancioná-lo. 

O prefeito de São Paulo aproveitou para cutucar o ministro do Meio Ambiente do governo federal, Ricardo Salles. Ao divulgar nesta terça-feira (25) a adesão da cidade ao Compromisso Global para a Nova Economia do Plástico, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU), assinado em março, Covas marcou distância para o ministro de Jair Bolsonaro (PSL) ao afirmar que ele teria se recusado a assinar o acordo. 

“Não é porque o governo federal não quis assinar que São Paulo vai abrir mão de seu compromisso com as futuras gerações e com o meio ambiente, ou seja, de seu compromisso em reduzir a dependência que temos do plástico. A geração atual está disposta a abrir mão de conforto para garantir a preservação da vida no planeta”, disse. 

O Compromisso é que a cidade adote ações para redução do uso do plástico, mas não estabelece metas –que devem ser definidas pelo próprio município. A ideia é a de eliminar o uso de embalagens de plástico desnecessárias, encorajar modelos de reúso do material e melhorar os índices de reciclagem do município, entre outras ações.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Por que o canudo virou um vilão, e não outros produtos?
Dos plásticos de uso único —que são úteis por alguns minutos antes de levarem centenas de anos para se decompor—, o canudo é tido como o item mais fácil de ser dispensado ou substituído. Em 2015, o vídeo do resgate de uma tartaruga com um canudo atravessado na narina viralizou e impulsionou a causa.


Quanto plástico uma cidade como São Paulo deixaria de produzir sem os canudos?
É difícil estimar. A prefeitura não tem esse cálculo e a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) diz que não há dados específicos para as cidades. No Brasil todo, os canudos representaram 0,03% das 6 milhões de toneladas de plástico produzidas em 2016, segundo o IBGE.


Se eu quiser usar um canudo, quais são as alternativas?
Os canudos reutilizáveis e biodegradáveis, como os feitos de bambu, são os mais ecológicos. Em seguida vêm os de metal, material durável e facilmente reciclável, e de vidro.


O canudo pessoal, não descartável, precisa de que tipo de cuidados?
Ele precisa sempre ser higienizado após o uso, assim como outros utensílios não descartáveis que usamos. Você pode deixá-lo de molho e depois lavar com água quente e sabão, usando a escovinha que normalmente acompanha o produto. Também é possível colocá-lo na máquina de lavar louça.


É melhor usar copos de vidro e lavá-los ou usar copos e canudos de plástico e reciclá-los?
Reusar é prioridade: lavar um copo tem impacto menor que a cadeia de produção de um material descartável, que também exige consumo de água. Quando optar pelos descartáveis, vale tentar reutilizar antes de encaminhar para a reciclagem.


E as pessoas com deficiência que precisam de canudos para ingerir bebidas?
Esse ainda é um dos impasses das leis anticanudo. Segundo a AACD, as opções de metal, vidro, bambu e papel nem sempre são indicadas por não permitirem uma boa posição para sucção, além da inflexibilidade, alto custo, risco de ferimentos e perigos com líquidos quentes.


É possível viver sem plástico?
Não, pelo menos no modo de vida urbano da maioria da população. Barato, prático e higiênico, o plástico está presente em quase todos os setores da sociedade moderna. Os representantes da indústria argumentam que a solução está no descarte adequado e na reciclagem.


Como diminuir o lixo sem fazer grandes sacrifícios?
- Evitar embalagens desnecessárias, optando por produtos com embalagem única
- Preferir embalagens reutilizáveis, como potes de vidro, ou biodegradáveis, como sacos de papel
- Reaproveitar sacolas plásticas como sacos de lixo
- Descartar o lixo reciclável separadamente
- Fazer uma composteira caseira, usando os restos de alimentos para produzir adubo


Fontes: ONU Ambiente, USP, Cempre, MMA, WWF, Abre, Plastivida, Abiplast e professora Paola Dall’Occo, do Mackenzie

Fonte: Folha Uol

Procedimentos básicos em situações de emergência com inflamáveis



As ocorrências envolvendo produtos perigosos, em especial abordando os inflamáveis, são cercadas de circunstâncias diversas que interferem diretamente no procedimento operacional e exigem procedimentos e ações emergenciais para a solução e restabelecimento da normalidade no cenário. 

Portanto, não existe uma fórmula comum a ser seguida. O que podemos indicar são procedimentos que, quando seguidos irão auxiliar muito as Equipes de Emergências.

Basicamente podemos dividir a atuação em Emergências com Produtos Perigosos e Inflamáveis em alguns passos distintos:
•Identificação do produto e seus riscos;
•Proteção Pessoal;
•Isolamento da área;
•Salvamento de vítimas;
•Contenção e Controle do produto;
•Descontaminação;

Antes que se possam iniciar operações efetivas de reação em um acidente com materiais perigosos e inflamáveis, deve-se obter a maior quantidade de informações possíveis a respeito da identidade do produto como também do acidente. Primeiro, identifica-se o produto envolvido e depois se faz uma avaliação do que aconteceu, está acontecendo ou pode acontecer.

***PROFISSIONAIS QUE SALVAM VIDAS***

Como e por que ter uma gestão de fornecedores na indústria? Entenda!




A gestão de fornecedores é uma forma eficiente de controlar o abastecimento da cadeia de suprimentos de uma empresa, a qual deve estar em conformidade com o SLA — Service Level Agreement — preestabelecido pelos envolvidos no processo.

Um gerenciamento eficiente desse tipo de relação é importante para que as empresas não se submetam aos gargalos que prejudicam seu processo produtivo, como a falta de insumos, taxas de stockout, falhas no lead time do produto e falta de conformidade com prazos de entrega, que interferem na fluidez do fluxo de caixa e nos índices de satisfação dos clientes.

Neste artigo, vamos orientá-lo quanto a gestão de fornecedores na indústria para que esse tipo de problema não afete os resultados do seu negócio. Confira!
Quais os requisitos que devem ser observados em um bom fornecedor?
Atendimento

Os canais de atendimento do seu fornecedor devem estar acessíveis e disponíveis no momento que o seu processo produtivo exigir. Além disso, a flexibilidade no atendimento, quanto às formas de negociação e de pagamento, devem seguir especificações de aquisições anteriores, mas também serem abertas às mudanças necessárias, caso algum imprevisto aconteça.
Localização

Dica para o reconhecimento de agentes químicos!



Encontrei este vídeo com uma explicação muito valiosa sobre interpretação da FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos, para compreensão dos agentes químicos, e entender a estratégia para avaliação ambiental do ambiente de trabalho.

Créditos ao autor e fonte do youtube.

Vale a pena assistir




Fonte : Youtube

Prefeitura entrega Central de Triagem de Recicláveis na Vila Galvão

-
A região da Vila Galvão passa a contar, a partir desta quinta-feira (4), com a Central Municipal de Triagem de Materiais Recicláveis, instalada na Rua Ipiranga, 517, na Vila Rosália. Viabilizado pela Prefeitura de Guarulhos, o local será utilizado pelas cooperativas de catadores cadastradas na Secretaria de Serviços Públicos, que poderão realizar a separação dos resíduos sólidos recicláveis e dar a destinação correta a eles.






O prefeito Guti participou da cerimônia de inauguração e lembrou que o equipamento é peça fundamental para o reaproveitamento dos resíduos secos recicláveis. “Esses materiais são encaminhados para empresas para reaproveitamento, transformando-os em um novo produto ou matéria-prima. Além dos benefícios ambientais da reciclagem, a coleta desses resíduos é uma forma de geração de renda para os catadores. As cidades do futuro precisarão saber lidar com o lixo produzido e Guarulhos, com as três centrais de triagem, está dando um passo importante para esse futuro”, comentou.

Cão protegendo seu tutor durante atendimento de Primeiros Socorros

Depois que o homem caiu, assim que a ambulância chega o cão começa chorar muito com a aproximação e durante atendimento de primeiros socorros em acidente o seu cão tenta desesperadamente proteger seu dono,  as pessoas tentam acalmar o cão enquanto fazem o atendimento utilizando prancha rígida, colar cervical para remoção e transporte.



Fonte : Linkedin 

FLORIANÓPOLIS SERÁ A PRIMEIRA CIDADE LIXO ZERO DO BRASIL

21/5/19

atualizado: 27/5/19
por Gisella Meneguelli

Chegou a vez de o Brasil ter a sua primeira capital lixo zero!

Florianópolis é uma das cidades com o melhor desempenho na recuperação de resíduos do Brasil, tanto que há cerca de 30 anos ela já faz coleta seletiva. Mas, agora, a atual gestão municipal pretende colocar a cidade em uma patamar audacioso, para o qual terá que trabalhar muito.

A energia posta no projeto é grande, tanto que foi publicado um decreto (Decreto n° 18.646/18) no Diário Oficial do Município instituindo o Programa Florianópolis Capital Lixo Zero, a fim de incentivar a sociedade civil, a iniciativa privada e o poder público a reduzirem a produção de lixo e a valorizem os resíduos sólidos urbanos reintroduzindo-os na cadeia produtiva, informa o site da Prefeitura de Florianópolis.

Campanha solidária transforma meias usadas em cobertores

São Paulo - Alessandro Ferreira, Neguinho Tiradentes e Romaria receberam roupas e cobertores para ajudar a suportarem o frio na Rua Ipiranga, em frente à Praça da República (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Projeto já arrecadou mais de 1 milhão de pares de meias
Publicado em 08/06/2019 - 15:14

Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

O projeto Meias do Bem já conseguiu arrecadar mais de 1 milhão de pares de meias que foram recicladas e ajudaram a aquecer pessoas de baixa renda, inclusive moradores de rua, em todo o país. Até agora, as 40 toneladas de meias usadas doadas ao projeto foram transformadas em 40 mil cobertores.
A iniciativa foi criada há seis anos pela fábrica de meias Puket. O analista de marketing comercial da empresa, Luiz Yada, disse à Agência Brasil que, no processo de fabricação das meias, sobra muito refugo têxtil, como linha e algodão. "Para não jogar fora esse material, a gente criou o projeto social, que recicla esse refugo têxtil e consegue transformar em cobertores".
Desde o início do projeto, a fábrica conta com a parceria da Fibram, que recolhe o refugo descartado pela empresa. Uma transportadora contratada percorre todos os pontos de venda no Brasil para reunir as doações. As meias, em seguida, são higienizadas, trituradas e passam por todo o processo necessário até se transformarem em cobertores.

Distribuição

O Meias do Bem conta, atualmente, com mais de 250 ONGs cadastradas como parceiras na distribuição dos cobertores. Entidades que queiram participar do projeto devem preencher um formulário, disponível no endereço www.meiasdobem.com.br.
Para fazer um cobertor de casal, por exemplo, são necessários 40 pares de meias. Como se trata de um projeto social e sustentável, Luiz Yada destacou que, com um par de meia reciclado, é possível economizar até 75 litros de água. O projeto, que ganha maior destaque em meio ao inverno, dura o ano inteiro.
Escolas e empresas, segundo ele, também podem colaborar com a iniciativa – basta indicar como recolher as doações de meias ou levá-las até uma das 160 lojas espalhadas pelo país, onde há uma urna Meias do Bem.
Edição: Paula Laboissière

Voluntários fazem mutirão para limpar as praias da Barra e do Recreio

Após abraço simbólico, lixo coletado será levado a centros de reciclagem
Projeto Aquele Abraço reuniu um grupo de pessoas na Praia da Barra na altura do Quebra Mar para fazer uma limpeza na areia Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo
Evelin Azevedo
08/06/2019 - 12:08 / Atualizado em 08/06/2019 - 16:46
RIO — Sungas e biquínis foram substituídos por luvas e sacolas nesta manhã de sábado nas Praias da Barra e do Recreio. Às 10h25, um helicóptero atravessou o céu anunciando que era a hora de dar Aquele Abraço nos 18,3 km de orla da Zona Oeste. Logo depois, os voluntários começaram um mutirão de limpeza da areia. Resíduos como garrafas, papelão, copos descartáveis, embalagens plásticas, isopor e até tênis foram recolhidos.


Enquanto os voluntários colhiam o lixo não orgânico, a Comlurb removia toneladas de gigogas trazidas pelo mar. A data escolhida, 8 de junho, é carregada de simbolismo. Em 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, a Rio-92, este foi declarado o Dia Mundial dos Oceanos.

O evento Aquele Abraço, organizado pela Ong Route Brasil, lançou o desafio de juntar 18 mil pessoas, separadas em 103 postos espalhados pela areia, para abraçar e limpar a praia. Os organizadores ainda não anunciaram se conseguiram reunir a multidão, mas a limpeza foi feita.

— É só olharmos para o lado para vermos que a natureza está pedindo socorro. Esta ação é uma forma de demonstrar carinho e de fazer um alerta para a situação das nossas praias — diz Fernanda de Freitas, embaixadora da Ong Route Brasil.

Todo o lixo retirado das areias será levado para postos do projeto Recicla Orla.

— O resíduo retirado na praia será levado para uma central de triagem. A partir dali ele será separado, engradado, compactado e vendido para as indústrias que realmente fazem a reciclagem. Não adianta coletar o lixo da praia e jogar em um aterro, porque para o planeta você tira de um lugar e jogar no outro. O aterro também faz parte da natureza — afirma Guilherme Borges, diretor de marketing e vendas da Orla Rio, empresa que administra 309 quiosques do Leme ao Pontal.

Famosos e desconhecidos se unem

O Gari Renato Sorriso, famoso por conta da limpeza da Marquês de Sapucaí após os desfiles do carnaval, marcou presença no evento e fez sua parte.

— A Comlurb trabalha sem parar nas praias cariocas recolhendo lixo. Então, peço à população que quando vier à praia e trouxer seu churrasco e sua bebida, recolha tudo e jogue na lixeira — convida Sorriso.

O paraciclista João Vitor Gomes, de 14 anos, convocou os pais e os dois irmãos para participar da ação.

— Quando fiquei sabendo do evento falei com a minha família que tínhamos que vir. Acho este projeto muito legal e importante.

A mãe afirma que o filho é a maior inspiração para a família e se sente orgulhosa em participar de ações como as de hoje.

— Precisamos trazer as nossas crianças para que elas entendem a importância de ajudar. O lixo que temos em casa nós não jogamos fora, mas jogamos dentro do nosso planeta. Devemos criar alternativas para produzir a menor quantidade de resíduos possível. Se cada um fizer a sua parte, conseguimos melhorar um pouquinho — fala Alessandra Gomes, de 41 anos.

A atriz Fabiana Karla também participou da ação. Para ela, esta é uma meneira preservar o planeta para as gerações futuras.

— Venho de cidade litorânea e aprendi como que o lixo é nocivo à vida marinha e ao meio ambiente. Então, sempre que posso participo. Gosto de me sentir uma gota no meio deste oceano (de ação). 

Ação vai gerar estudo sobre microplástico

Enquanto alguns voluntários recolhiam grandes volumes de lixo, outros se concentravam nas pequenos partículas. Resíduos fragmentados obtidos em amostras de um metro de areia eram peneirados e separados em sacos para um estudo sobre microplásticos presentes na praia da Barra.

— Hoje, além de contabilizamos todos os tipos de detritos e resíduos coletados, estamos aplicando o protocolo de amostragem para quantificar os microplásticos nas areias da Barra — explica Gláucia Olivatto, pesquisadora da Univerde de São Paulo (USP) e voluntária na Ong Route Brasil.

Para participar da coleta destinada à pesquisa era preciso apenas estar cadastrado na lista de voluntários do eveno desta manhã.

— Nós nos inscrevemos para fazer a coleta de lixo, mas a Glaucia nos chamou para fazer a pesquisa — diz a estudante Carolina Gama. — Eu não entendo completamente o que estamos fazendo aqui, mas como quero fazer biologia, então sempre procuro ações como estas — complementa a estudante Beatriz Marques.

Fonte: O Globo Rio

Hoje é Dia Mundial dos Oceanos e Dia do Oceanógrafo

-
08/06/2017
(Foto: Reprodução)

Comemora-se nesta quinta-feira (08), o Dia Mundial dos Oceanos.

Criada durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento na Rio-92 e oficializada apenas em 2008, a data tem como objetivo ressaltar a importância dos oceanos para o equilíbrio da vida no planeta e conscientizar a sociedade sobre os perigos das atividades humanas nos ecossistemas oceânicos.

“Apesar da amplitude dos oceanos, sua capacidade de superar os danos causados pelas atividades humanas é limitada, comprometendo sua habilidade de cooperar para o desenvolvimento sustentável”, afirma Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU.

Neste ano, o tema escolhido para celebrar a data é “Nossos oceanos, nosso futuro”, que visa encorajar soluções para a poluição de plásticos e prevenir o descarte de lixo nos oceanos, a fim de ter um ecossistema mais saudável e um futuro melhor.

Segundo a ONU Meio Ambiente, cerca de 90% de todo o lixo flutuando nos oceanos é plástico. Até 2050, os mares terão mais pedaços do material do que peixes, e 99% das aves marinhas terão ingerido esse tipo de resíduo.
Dia do Oceanógrafo

Hoje também são celebrados os profissionais que se dedicam a estudar os oceanos do planeta: o Oceanógrafo.

Este profissional pesquisa animais, vegetais, o ecossistema e os processos marinhos, por meio da coleta e interpretação de informações sobre as condições físicas, químicas e biológicas dos ambientes aquáticos.

Parabéns a todos os profissionais!

Prefeitura participa de simulado de incêndio em empresa de Guarulhos

quarta-feira, 5 de junho de 2019

By Rogério Princiotti
-jun 5, 2019

A Prefeitura de Guarulhos participou na tarde desta terça-feira (4) de um simulado de incêndio em área de armazenamento de produtos inflamáveis, na empresa Axalta, região do Cumbica, juntamente ao Corpo de Bombeiros e integrantes do Sistema Integrado de Emergências de Guarulhos e Região (SIEG).









A Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Compdec) e demais equipes foram acionadas de surpresa para tornar o cenário da ocorrência ainda mais realista, além de possuir duas vítimas com ferimentos leves. A operação durou cerca de 30 minutos e contou com posto de comando, operacional e agentes de apoio nas áreas frias e mornas.


A resposta à ocorrência deu fim ao fogo e teve sucesso no resgate e atendimento às vítimas, além da certificação de que os riscos na área foram sanados. Segundo o coordenador adjunto da Compdec, major Israel Soares, o simulado é um compromisso das equipes. “É um treinamento de aplicação de meios humanos e materiais, o qual atendeu as expectativas e serviu para conhecimento da planta e riscos da empresa, bem como da integração dos participantes”.

Fonte: Guarulhos em Rede

 
Eco Harmonia